Aderir    Facebook Twitter Google Plus Pinterest Mail

MOCICA

Três etapas para mudar o mundo

Sumário

I. Uma solução adequada

Sem dinheiro: rumo a um acordo geral

O contexto certo

Nosso condicionamento vem de muito tempo atraz, antes do nosso nascimento, é difícil imaginar as consequências de uma queda do sistema monetário sobre o comportamento humano. Sem exceção, todos eles vão ser extremamente benéficos, como vamos demonstrar para vocês.

Em primeiro lugar, a mudança de paradigma afetará o espírito competitivo e o desejo de dominar, ele não permitirá que ninguém exerça pressão sobre ninguém, nem provoque desejo material .

Nós não teremos o estresse de obrigações, dívidas, rendimentos e os conflitos que decorrem. Nossa mente permanecá mais livre e aberta aos outros.

Além disso, nosso comportamento está intrinsecamente ligado à imagem que damos aos outros, porque queremos agradar ou suscitar consideração. Sem o sistema monetário a base de nossa personalidade é posta a nu, pois não podemos mais esconder sob a lógica imposta por um sistema como o do dinheiro. Ninguém será vitima do desemprego ou poderá pretender subir um sistema que não lhe deixa nenhuma escolha. Nossos atos e “os não atos” mostrarão nossa verdadeira personalidade aos olhos de todas as pessoas ao nosso redor.

Um ponto fundamental é: a nossa visão do mundo e dos outros deixará de ser orientada pelo Ter, mas será orientada pelo Ser. Esse novo olhar não vai exigir qualquer trabalho em nós mesmos, porque vai ser uma consequência direta e inevitável dessa mudança. Um tal ponto de vista é magistralmente benéfico para nossas relações sociais, e a um grau ainda difícil de imaginar para a grande maioria.

A verdadeira natureza do Homem é de ser feliz, é dar sentido à sua vida, ter um círculo social, se realizar para concretizar seus projetos, para ter uma vida bela e emocionante. Para isso, o Homem provavelmente precisa de meios e possibilidades.

Em um mundo onde isso não depende de recursos financeiros, mas sim da total liberdade e viabilidade para todos, ninguém pode ficar em casa e não fazer nada por um longo tempo. Em vez disso, cada um vai se orientar por si só ao encontro de projetos pessoais que, muitas vezes, serão relacionados com o grupo, porque somos profundamente seres sociais.

Porquê a liberdade completa (exceto prejuízo para o indivíduo) nos levaria a um mundo caótico e perigoso? Porque predizer isto, quando a única certeza que temos é que o sistema atual, é assustadoramente caótico e ameaçador. Ser moldados e ajustados não nos protege de nada, é apenas uma exigência gerada pelo próprio sistema responsável por esses desejos.

Não há necessidade de extintores, quando não existe incêndio.

O fim do condicionamento

Ao nos imaginar em um mundo sem dinheiro, projetamos erroneamente um cenário instável e caótico, consequentemente ameaçador. Observando dia após dia através da mídia como os seres humanos podem ser violentos e egoístas, imaginamos um desastre completo se, além disso, ele estivesse livre. Este erro de projeção é apenas um reflexo do nosso condicionamento profundo.

Quanto mais um animal está confinado numa gaiola estreita, mais ele se tornará agressivo, e isso não pela sua natureza profunda, mas pelas suas condiçoes de vida. Quanto mais o homem é preso pelo sistema, mais ele luta, mais violento ele se torna, individualista, agressivo, destrutivo. Constatamos que as pessoas que têm mais recursos financeiros e, portanto, mais liberdade de existência são mais calmas e integrados à sociedade do que outros, especialmente porque eles se julgam livres.

A violência e o individualismo são gerados de maneira proporcional ao confinamento do indivíduo ao nosso sistema.

A liberdade é um pré-requisito essencial para a pacificação e a construção dos laços sociais, a sua falta é o terreno fértil para a agressão e o conflito.

O Ego: regulador do ser humano no Mundo Livre

Hoje, demasiadas são as pessoas que não podem trabalhar e sentirem-se úteis. Mas ninguém pode ser feliz, dizendo "eu não sirvo para nada." É um pilar do desenvolvimento pessoal, que não existiria sem o Ego.

Nosso sistema atual permite várias maneiras de se sentir útil, sem ter que trazer benefício real para a Vida: quando somos um prestador do sistema financeiro e todos os seus muitos derivados. No mundo livre do futuro, a única maneira de se sentir útil é ajudar os outros e a vida em nosso Planeta. Não haverá nenhuma atividade que permitirá se sentir útil nesse mundo, sem um efeito benéfico para os Homens ou a Natureza, em uma palavra: a Vida.

Viver só para si, não iria proporcionar mais sentiment que a oportunidade de construir um círculo social. Além de manter todos os atores-chaves de nossas vidas (agricultores, produtores, artesãos, profissionais de saúde, pesquisadores, cientistas, professores, serviços ligados as pessoas de todos os tipos, etc) iremos beneficiar de uma mão de obra voluntária e massiva.

Para satisfazer o seu Ego, o altruísmo sera uma condição necessária e natural do Homem, apreciado por todos e viável.

No mundo materialista que conhecemos, o sucesso é atribuído ao sucesso financeiro, a aquisição de bens materiais, ao lugar ocupado na hierarquia, ao poder e a popularidade. No mundo de Ser, ele só pode ser ligado à popularidade. O Ego será valorizado em troca das nossas qualidades humanas sem nenhum outro caminho possível.

O Ego não tem forma nem aparência pré-definida. Não é mais egoísta do que generoso. Ele obedece a uma só lei: ser valorizado. Para ter o sentimento indispensável de se sentir útil, o Ego buscará a auto-estima por meio inconturnável do altruísmo. Da mesma forma, ele procurará o seu reflexo nos olhos do outro, pela popularidade que só existirá pelo dom de si.

Encontrar uma utilidade na sociedade é fundamental para dar sentido à nossa existência. O papel de cada um é uma parte integrante da sua identidade, por isso deve ser sempre procurado. É necessário ao equilíbrio e a felicidade de cada ser humano. Por que se privar quando nada pode nos impedir?

O Mundo Livre posto à prova

Para o desenvolvimento natural e ideal da sociedade não precisamos de corporativismo, dogma ou outra autoridade "superior" para validar o que tem que ser bom para nós e o que não é. O que é benéfico para a sociedade provocará entusiasmo e o que não é benéfico desaparecerá naturalmente. É verdadeiramente simples.

A informação oral e as redes de informações são suficientemente amplas para que cada um saiba para onde ir em função de suas necessidades. E podemos ter certeza de ter serviços de qualidade graças ao Ego neste caso também. A motivação de benefícios descartada, ele será motor de um profissionalismo desejado. Ninguém deseja se sentir inútil ou incompetente em sua área de atuação. Procuramos naturalmente uma utilidade, um reconhecimento, uma notoriedade, uma boa reputação para valorizar nosso ego e encontrar nosso lugar entre os outros.

Podemos ter confiança em nossas escolhas individuais, porque elas são simplesmente as melhores. Ninguém pode pretender saber melhor do que um outro o que é bom para ele. Não precisamos de nenhum pré-requisito acadêmico ou nenhum consentimento que não seja a nossa consciência individual para fazer a escolha certa.

Somos cerca de 7 bilhões de pessoas sobre a Terra, e quase tantas persuadidas de saber o que é o sistema ideal para todos. No entanto, somente um pode convenir a todos. Em suma, somos 7 bilhões a persistir no erro das nossas convicções.

Para evoluir na direção certa, podemos contar com o único sistema que pode atender a todos e é de longe o melhor. É aquele com o qual a Natureza sempre funcionou: o teste prático do mundo livre.

Vamos seguir o caminho certo – pois ele existe - experimentando e oferecendo conforme o desejo de cada um princípios e convicções, nunca os impôndo aos outros. Tudo deve funcionar pelo entendimento mútuo entre as partes envolvidas, sem esperar pela aprovação dos outros.

Além de erros de massas impostas pelo nosso corporativismos politicos, acadêmicos, ideológicos, dogmáticos, sistematicamente totalitários e auto-proclamados, detentores de um conhecimento superior, eles nos impedem de pensar por nós mesmos.

Colocando cada um para testar suas próprias ideologias, crenças e convicções através da experiência pessoal e individual, encontraremos um sistema evolutivo "orgânico": a seleção natural do que é bom para o Homem pela experiência de suas próprias escolhas.

Um sistema deste tipo proporciona apenas benefícios, e eles são muitos: a liberdade de pensamento, de ação, evolução da consciência individual pela experiência, a melhoria da responsabilidade social, otimização da estrutura social, a serenidade em nosso clima social, facilidade e harmonia para o nosso desenvolvimento global. Por último, tendo o hábito de pensar e analisar por nós mesmos, sem pressão externa, nos protegemos de qualquer possível doutrinação definitiva.

O mito do pânico

Face aos acontecimentos, os Homens não se assustam mais. Somente o desconhecido apavora os Homens
Antoine de Saint- Exupéry

Estudos sociológicos sobre eventos que nos parecem induzir pânico indicam, na verdade, exatamente o oposto. Durante eventos extremos, tais como desastres naturais ou ataques terroristas, eles podem concluir claramente que a solidariedade, a disciplina e o calma prevalecem sobre o egoísmo, as pilhagens e o pânico.

Ao longo da história de nossa pesquisa, relativa a mais de 700 casos, eu estaria bastante constrangido de mencionar (....) apenas alguns acontecimentos marginais que relevam do pânico
Enrico Quarantelli
Fundador do Centro de Pesquisa sobre Desastres

Se esta inteligência inata de comportamento é válida em caso de acontecimentos imprevistos, sofridos e assustadores, ela é ainda mais previsível para as circunstâncias relativas a uma escolha antecipada, desejada e que não implica nenhum dano material e humano.

II. Projeto MOCICA

Vamos detalhar aqui o projeto MOCICA cuja descrição é deliberadamente reduzida ao mínimo necessário. A sua eficácia virá de sua simplicidade e de sua flexibilidade.

O projeto está dividido em 3 etapas lógicas, simples, eficazes e seguras.

Lógicas, porque seguem uma ordem cronológica ideal e coerente, a partir da situação atual em direção a um objetivo comum além de culturas e fronteiras, considerando unicamente o nosso potencial disponível hoje.

Simples, porque elas não requerem nenhuma proeza ou esforço individual, e elas não podem nos deixar em uma situação indesejável ou perigosa.

Eficazes, pois em sua simplicidade e sua legalidade, é impossível conter a ação de um de seus membros, o que, por si só trará outros membros.

Seguras, pois pela natureza desse projeto, nada vai acontecer se não formos globalmente unânimes. Isso significa que passamos a cada etapa sucessiva no caso de certeza de sucesso. Imaginando que não conseguimos obter o número de pessoas necessárias nós simplesmente continuariamos a viver no sistema atual. Voltamos para nossas vidas de atuais, sem qualquer consequência financeira ou outra.

Uma vez que é uma mudança de paradigma a escala planetária, estamos visando uma estratégia global e lidaremos apenas com os fundamentais. Esse projeto procura ser o mais conciso possível por uma questão de clareza e simplicidade para todos.

Todos os membros do MOCICA estão convencidos de uma coisa: não há nenhum obstáculo ou problema, apenas adaptações.

Você também pode por outro lado ver ao longo da descrição que já temos disponível e a escala mundial todos os elementos necessários para o sucesso deste projecto.

Alguns estarão hesitantes, lhe deixaremos o tempo para pensar e escolher como desejam mudar suas vidas.

Uma coisa é certa, o tempo estará do nosso lado.

Quando o governo viola os direitos do povo, a insurreição é para o povo e para cada porção do povo, o mais sagrado dos direitos e o mais indispensáveis ​​dos deveres.
O artigo 35 da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão
25 de junho de 1793

Etape 1: A mobilização

Estamos atualmente nesta fase.

A mobilização envolve dois pontos fundamentais: o conhecimento do projeto e a necessidade de valores morais.

O primeiro ponto deve ser uma maior divulgação e disseminação do projeto. Com a Internet e as redes sociais, temos muitas oportunidades. Sabemos que nem todo mundo vê o que recebe através destas redes. Incentive as pessoas ao seus arredores, tanto quanto possível para o descobrir.

Para fazer isso, certifique-se de ter feito, pelo menos, a primeira rodada de seu círculo social de amigos, familiares, colegas.

Diga abertamente que você se juntou ao movimento. Se você tem amigos no exterior, não os esqueça. Não imponha claro, mas seja persuasivo.

Leia o projeto para aqueles que não podem ler ou não sabem ler.

Abra contas online para aqueles que não têm.

Contacte-nos se você pode traduzir o projeto.

Também é importante divulgar o estado de espírito do movimento. Para ser eficaz, deve permanecer pacifista e organizado. Devemos permanecer sempre neste estado de espírito, exemplares em relação aos valores morais e motivados para a mudança.

A fim de divulgar o nosso projeto, é também importante ver o logotipo, tanto quanto possível e, claro, usá-lo também. Em nossa opinião, é importante que cada um se envolva com sua criatividade e com seus meios para colocar a disposiçao a sua proximidade: crachá, cartazes, camisetas, flyers, livret, vídeo, projeção, curta-metragem, filme.

Você também pode nos ajudar a divulgar rapidamente o projeto de várias maneiras que podem ser muito eficazes. Para fazer isso, você pode consultar a parte "difusão".

Rejeitamos qualquer inscrição paga para o movimento e desejamos solicitar sua participação segundo suas possibilidades e recursos para esta ação pacifica.

Este funcionamento será mais eficaz se todos nós nos acostumarmos a nos envolvermos com o movimento.

É importante se mobilizar a longo prazo.

Para o segundo ponto – o aumento da conscientização e a necessidade de valores morais - a melhor estratégia é simplesmente que cada um seja plenamente representativo. Manter a mente aberta, tolerante, empática, benevolente e sorridente tem um efeito mágico sobre aqueles que beneficiam. Precisamos entrar gradualmente nesta atmosfera doce e reconfortante, esta é a melhor maneira de difundi-la.

Também adotar agora uma atitude ecológica responsável: triagem seletiva, economizando custos de energia, utilizar mais seguido o transporte público, economizar água, dirigir nossas compras para os produtos locais, enfim, agindo hoje como um cidadão de amanhã.

A gratuidade, o compartilhamento, o altruísmo os serviço são naturalmente aplicáveis à partir de hoje. A face de nossa civilização se ilumine dia à dia. Há mais e mais organizações ao redor do mundo que ressaltam a ajuda mútua, a gratuidade dos bens e da comida. Não hesitemos a nos juntar à eles e criar mais ainda.

O objetivo é conseguir uma maioria suficiente de pessoas ao redor do mundo e garantir, ao mesmo tempo todos os nossos fundamentais antes de decidir o dia mesmo como um único homem de não usar mais o sistema monetário em todas as suas formas: bilhetes, cartões de crédito, talões de cheques, moedas, transferências.

Qual será esse dia?

Mesmo se apenas a zona do Euro por exemplo parasse da noite para o dia de usar a sua moeda, seria o suficiente para fazer pender o sistema inteiro. Mas essa decisão deve ser mais abrangente, e representar a maioria dos indivíduos.

Todos os membros votarão juntos para decidir quando passar para a próxima etapa. Acreditamos que 51% não é suficiente para tomar tal decisão e gostaríamos de concluir este acordo por uma escolha representativa de 95% dos membros. Cada um donará então seu acordo até chegar pelo menos a essa proporção.

Nós só podemos fazer dessa forma, em simultaneidade. E devemos num primeiro tempo nos reagrupar. Nenhum governo vai tomar esta decisão, claro, e começar com pequenos passos no mundo esperando por uma difusão progressiva será lento demais ou não vai funcionar, o sistema monetário não o tornará viável.

Uma vez os 95% alcançados, vamos dar um período de 2 semanas, durante o qual vamos usar nossas últimas economias na construção de máximo de habitações que provisionarão alimentos, roupas e tudo o que cada um julgue necessário, apenas para acalmar os ânimos.

Assim, o dia em questão virá de si mesmo, no momento certo: quando estivermos prontos.

Separação do sistema monetário

O Dia x, não usaremos nenhum meio de pagamento: cartão de crédito, transferência bancária, cartão de débito, dinheiro, bilhetes, cheques.

Nós celebramos juntos este dia histórico no mundo inteiro.

No dia seguinte, passaremos para à etapa 2.

Etapa 2: O contrôle da situação

Nada mais simples: para manter uma estrutura que nós conhecemos e que é confortável para todos, é importante num primeiro tempo que nós continuemos a nossa vida normal, sem usar o sistema monetário. Nós seremos gratos para aqueles que têm trabalhos exigentes perseverar, pelo menos, o tempo da etapa 2.

Continuar a assumir a seus compromissos, continuar seus estudos, seguir o cronograma normal de sua vida cotidiana. Pratique sua profissão, que seja de artesão, agricultor, cultivador, policial, motorista de ônibus, dentista, continue a ser padeiro, operário, carpinteiro, cabeleireiro, caminhoneiro, florista, vendedor, pescador, eletricista, etc.

Para os trabalhadores de lojas e supermercados, gerênciar da melhor maneira possível para a partilha equitável de alimentos e dos fornecedores sempre favorecendo os mais pobres.

Viver simplesmente para que todos possam simplesmente viver
Gandhi

Viver o mais normalmente possível. Faça suas compras como você sempre fez, não consuma mais, talvez menos, sempre dando prioridade para os pobres e precários. Meça as suas necessidades e limite-se ao essencial. Se você testemunhar de abusos e de tensões, ajude a voltar à calma ou a enquadrar se julgar necessário, represente os valores morais e a não-violência sempre.

Em resumo, viva como de costume, mas sem o intermediário do dinheiro e desde que seja do interesse público.

Se é fácil saber o que você vai fazer, de ver ao que parecerá seu cotidiano (mais ou menos ao de hoje, muito mais simples), saiba que é o mesmo para todos. Inútil dizer que cada um assegurará seu papel. O que é óbvio para você o é também para os outros. Será de fato os conhecimentos, as habilidades do cotidiano, fácil e evidente para eles também.

Para aqueles que precisam se reconverter em outra atividade, tornam-se ainda mais mãos de obras disponíveis.

Desde os primeiros dias da etapa 2, pedimos a cada membro para notificar-nos quando seguro e pronto para a etapa seguinte. Vamos esperar mais uma vez o acordo de uma parcela de 95% dos membros. Então vamos para a próxima etapa, quando a situação será considerada calma, controlada e confortável para todos.

Etapa 3: A organização

As prioridades

Enquanto mantemos uma base sólida nos países desenvolvidos para securizar para eles mesmos e que seja eficaz para os outros, teremos que nos voltar tão rapidamente quanto possível para os países pobres e subdesenvolvidos. Somente nós temos a força e a capacidade técnica para mudar nosso mundo, não eles.

Os países desenvolvidos podem ser divididos em dois tipos de voluntários: aqueles que mantêm o curso da vida comum na respective região do globo, através de seus conhecimentos tecnicos, e aqueles que desejam viajar para fins humanitários.

Todos que desejam participar tanto 3 semanas quanto 3 meses ou então nada.

O ideal seria partir entre amigos e/ou familiares para que seja uma experiência o mais agradável e emocionante possível para todos.

Nada deve ser imposto, a base de tudo é o voluntariado. Este é um dos pilares do novo paradigma.

Administração

Quem vai governar? Dirigir?

A resposta mais óbvia é : ninguém. Especialmente hoje, não seria nem uma vantagem nem uma necessidade. Não ter mais dirigentes é uma perspectiva não somente concreta mas além do mais incontornável. Isso nos assegurará uma base social mais sã e durável que poderíamos sonhar. Não ser dirigido é a natureza mesmo de uma sociedade autônoma, e a autonômia é uma característica de uma grande civilização.

A democracia é o governo do povo, pelo povo, para o povo
Abraham Lincoln

As leis e as decisões devem ser o resultado de uma escolha comum, e não a de uma única pessoa ou mesmo a de uma assembleia. Elas podem ser muito mais simples e reduzidas que a massa de leis existentes atualmente com base unicamente em princípios evidentes, claros e fundamentais. Isto permitirá uma clareza das leis para cada um de nós. Podemos definir todos junto e propomos no próximo capítulo um princípio único sobre o qual podemos nos basear com o acordo de todos.

A organização não se fará mais numa hierarquia vertical, mas numa coesão social horizontal da sociedade. Por bairros e em seguida por cidades, regiões e países para a distribuição inteligentemente estudada das necessidades e dos recursos.

No entanto, podem existir os representantes eleitos. Se cidadãos são nomeados para representar a sua empresa, cidade, nação ou povo, eles não poderão impor nenhuma ordem ou lei. Eles terão como papel recolher as demandas e as idéias daqueles que representam e facilitar o intercâmbio entre empresas, cidades, povos ou nações pelo intermediário de seus representantes.

Justiça

Um mundo sem dinheiro não implica a abolição do sistema judiciário e da polícia, que deve continuar a garantir a segurança e o respeito das leis.

Achamos que seria interessante redefinir juntos textos de leis modernas, de uma sociedade não-monetária que em consequência tem todas as probabilidades de ser relativamente reduzido e simples em comparação com o peso e a complexidade dos de hoje.

O aumento incessante de leis cada vez mais pesadas, obrigações e restrições são as marcas de um sistema que entra em colapso e perdeu o contrôle. Estas são as manifestações chocantes de um sistema que tenta se reajustar à sua propria queda. Se o nosso sistema exige mais e mais leis, é em resposta às consequências das quais ele próprio é o autor.

Vale a pena mencionar que temos provas disso todos os dias?

O bom sistema deve ter apenas a principal característica de não precisar de nenhuma modificação. Deve ser uma referência sólida e imutável, uma referência universal perfeitamente coerente e auto-suficiente ao longo do tempo. E o que permitirá a nossa civilização de andar constantemente no trilho certo, naturalmente se auto-regular e estar em equilíbrio, sem nunca precisar ser colocado em questão.

Sem o sistema monetário, e somente nesta condição, podemos definir o quadro apropriada da nossa sociedade, levando em conta um único propósito : proteger e garantir o máximo de liberdade de cada indivíduo. O que equivale a proibir a qualquer pessoa de limitar de qualquer forma a liberdade do outro. Tal sistema é sem falha se todos nós o aceitamos. Através dele, temos apenas as leis que nos são necessárias, coerentes e imutáveis. Elas definitivamente nos desviarão de qualquer conflito possível e nos garantirão um contexto social promissor e com grandes perspectivas.

Para garantir o máximo de liberdade de cada um de nós, elas serão centradas nos seguintes princípios:

Não matar.

Não violar.

Não roubar (que será inútil de qualquer maneira nesta sociedade) .

Não prejudicar o Homem e o equilibrio do Planeta.

Não arriscar a vida dos outros .

Não proibir (dentro dos limites dessas leis) .

Não obrigar (o que inclui a abolição definitiva dos dirigentes) .

Distribuição de tarefas

Quando fazemos o que amamos, o chamamos "Liberdade"

Quando amamos o que fazemos, o chamamos "Felicidade”

Para começar, as profissões do futuro não vai ser as mesmas, eles afetarão as áreas de construção, de gestão de recursos, de tecnologia, das comunicações, de infra-estrutura, da distribuição, da educação, do vestuário, da saúde, das artes e cultura, da justiça, do lazer, do entretenimento, do esporte e da ecologia.

Não existirão mais as profissões relacionadas aos setores finançeiros e a sua gestão: commercial, publicitário, bancário, segurador, oficial de justiça, contador, auditor fiscal, gestor de ativos, comissários de contas, ministros, políticos, comerciantes, líderes.

Quem vai fazer as tarefas mais humildes mais difíceis, as mais desagradáveis?

A regra de ouro é a equidade. Adaptando-se aos poucos de maneira sólida, cada um pode gradualmente fazer o que quiser.

É importante notar que cada um será considerado igual aos outros. Todo mundo não faria 10 anos de estudos para se tornar um médico, mas ao mesmo tempo, poucos médicos gostariam de se usar fisicamente como pedreiro durante somente um ano de aprendizagem. Se o pedreiro pode ter sua vida salva por seu médico, o médico precisa do pedreiro para ter uma casa. Aos olhos de uma sociedade moderna, estudos longos não serão mais valorizados ou darão origem a favores qualquer para ninguém, e vice-versa.

Precisamos de todos. Cada um deverá assumir as suas escolhas e nunca reclamar, que o esforço seja intelectual, físico, ou até mesmo os dois.

Se algumas tarefas desgratificantes ou difíceis não poderem ser automatizadas pela alta tecnologia (o que é pouco provável), e não conseguirmos encontrar voluntários, a equidade e o correto será o estabelecimento de um sistema de rotatividade/alternância com a ajuda de organigramas.

Vamos facilitar as melhores condições de trabalho possíveis para torná-las menos restritivas. Nós nos daremos um tempo de trabalho reduzido ao mínimo graças a disponibilidade de uma mão de obra provavelmente massiva.

Outra opção disponível para nós: o estabelecimento de um ano de serviços cívicos que seria feito no início da idade adulta, no auge da vida, no país da nossa escolha com os amigos que quisermos.

Se constatarmos que um bem de consumo se escassa devido à falta de interesse nas fábricas para produzi-lo, teremos que imaginar um homem, uma mulher, uma criança que está passando por uma mudança de sua vida para melhor. Ver um produto diminuir ou desaparecer será um sinal de progresso e não de regressão. Qual o impacto que isso terá sobre nossas vidas? Talvez menos conforto material, mas para se ter uma verdadeira evolução da sociedade.

A possibilidade de perder temporariamente um certo conforto material para um conforto social forte que será um mundo livre, sem dívidas e sem conflito não deve nunca ser uma perspectiva que nos retenha.

Além disso, toda queda na produção industrial tem um duplo impacto positivo sobre a ecologia : menos poluição, assim como um incentivo para a reciclagem de produtos existentes.

A propriedade

A habitação é um problema somente se ficarmos presos no nosso Ego de hoje.

No início todos não terão a mesma superfície nem a mesma qualidade, isso é inevitável. Mas não é normal preferir o sistema atual quando a única vantagem que o justifica é a não equidade e nos impede de a procurar.

A prioridade será garantir, acima dse tudo, que todo mundo tenha uma habitação.

A partir daí, vamos de qualquer maneira renovar aos poucos a maior parte das habitações contemporâneas, mantendo ao mesmo tempo as mais belas obras arquitetônicas do nosso tempo, se tal é nosso desejo. Eles são todos a alta perda energética, atualmente somos capazes de construir habitações que produzam energia positiva. Cada um será proprietário de sua habitação e avançaremos ao longo do tempo para satisfazer sempre mais pessoas.

Vamos fazer as habitações de amanhã da forma mais justa possível em termos de conforto e de superfície, haverá diferentes categorias entre uma habitação individual ou familiar, mas com a preocupação de conforto igual.

Quanto mais avançarmos, mais a justice/equidade se generalizará.

A ecologia

Em primeiro lugar, o fim do sistema monetário retardará maciçamente as idas e vindas, o fluxo constante do comércio e da indústria. Haverá uma queda da poluição com a mesma força e velocidade que a do crime. A supressão do sistema monetário é atualmente nosso único meio de ação para parar essa suprapoluição industrial cega e assassina, o que deverá ser a nossa principal prioridade de toda maneira.

Em seguida, temos de ser categóricos: de que os conhecimentos do homem em energia limpa, poderá distribuir sem problemas a energia necessária para todo o planeta. E isto, sem recorrer ao petróleo ou energia nuclear.

Em um mundo baseado na ganância, por que promover meios ecologicamente bons ​​que oferecem pouco lucro?

Um só exemplo entre muitos:

Produzir no deserto é popularmente aceito como uma boa idéia, e é um bom exemplo pois o deserto do Saara coberto com instalações solares representam 750 térawatts (bilhões de watts) instalados. A terra nunca consome mais 14TW simultaneamente.
blogphotovoltaique.com

Educação, escolaridade, ensino, ciências.

As crianças são o fundamento mais puro e essencial do nosso futuro. Uma educação inteligente e encorajadora fornecerá a nossa sociedade um futuro mais próspero, com valores de honestidade e integridade.

O sistema escolar deixará de ser baseado em notas que pertencem à um mundo onde a competição domina. Terá como único objetivo de dar o conhecimento e as habilidades necessárias para o projeto de vida de cada um.

Não diremos mais "isso é errado", mas "tente de novo", "você está quase lá" "eu vou te explicar" até à obtenção de um diploma com o aval de um júri de profissionais. Não é necessário notas quando uma validação simples é suficiente.

O argumento de que "a competição proporciona motivação" é verdade para alguns, mas desastroso para outros. Este sistema é também motivo de desânimo. Por que não aumentar a motivação pelo incentivo que é bem mais eficaz e produtivo?

Podemos ensinar às crianças as regras básicas da vida, como manter-se em acordo com si mesmo, sem conflitos com os outros pelo exemplo.

Nós podemos dar acesso a uma escola com base na versatilidade e ensinar desde cedo os princípios de bricolage, jardinagem, cuidado, ecologia, bem-estar e uma alimentação saudável.

Qualquer que seja o campo científico de estudo, troquemos nossos conhecimentos e incentivemos a discussão com o máximo de transparência e consideração para com as descobertas dos outros. Devemos sempre privilegiar a humildade para com nossas certezas, todos seremos vencedores.

Saúde

Nós seremos, obviamente, em uma melhor saúde num contexto saudável, pacífico, tranquilo e no qual os cuidado médicos serão, enfim acessíveis a todos.

A união faz a força

Seja qual for o campo profissional, nós encorajamos você a se reunir com colegas para compartilhar idéias e dar início a novos projetos. Isto pode ser para ações locais ou humanitárias a nível regional, nacional ou internacional. Quanto mais no reagruparmos e compartilharmos opiniões, mais nossas ações serão levadas em conta, analisadas corretamente, otimizadas. A opinião de cada um de nós conta. Toda boa idéia tem como ponto de partida um indivíduo. Propor, discutir, compartilhar, analisar e agir de acordo com suas condições comuns de trabalho e de compreensão. O Homem de hoje se destaca em todas as áreas, tanto nas questões de conhecimentos quanto de competências. É por isso que nós podemos superar todos os desafios que temos pela frente.

Se você pensa ter capacidade de liderar um projeto não hesite em se expressar e se propor como tal, mas nunca tente se impor.

Não sejamos relutantes em apelar para um e outro para usar nossas competências respectivas. É improvável que uma empresa ou um profissional não responda aos pedidos neste novo contexto baseado na motivação e não na obrigação.

Os territórios

Se existem hoje tantos pobres que arriscam suas vidas para cruzar fronteiras dos países ricos, não é pelo clima, a cultura, e muito menos o acolho, mas unicamente para encontrar o dinheiro la onde ele está. Podemos dizer que são atos de sobrevivência. Por que correr tais riscos se não houver mais dinheiro em nenhum lugar? Se eles tivessem escolha e os meios materiais eles todos prefeririam ficar em suas terras ancestrais perto de seus antepassados, sob o clima ao qual estão acostumados. Amanhã, vamos permitir-lhes de viver de maneira decente em seus territórios.

Procedendo desta forma, vamos perceber um dia ou outro que as fronteiras não têm importancia e que elas só existem em nossas cabeças.

O Planeta que nos permite viver merece melhor do que esta representação fragmentada dele mesmo, desenhada pela mão do homem, mostrada por todos e mantida pela nossa própria vontade.

Bens

Os bens não terão nenhum valor. A Vida encontrará o seu, o mais alto.

Se nada é pago, então tudo é gratuito: turbinas eólicas, painéis solares, alimentos orgânicos, saúde, educação, transporte, estudos, habitação, esportes, viagens, lazer, divertimentos, tudo o que precisarmos.

III. Uma nova era

Estamos em um período crítico e decisivo na História da Humanidade. Nunca foi tão urgente agir, mudar, reconstruir. E ai se encontra provavelmente o maior absurdo de nossa sociedade: não agimos por falta de meios financeiros, mas ao mesmo tempo temos a nosso favor todos os recursos humanos necessários. Temos todas as competências que jamais poderíamos imaginar e uma mão de obra gigantesca. Nosso potencial é simplesmente colossal.

Nossas leis não seriam tantas se nosso sistema fosse bom.

"A proibição do fazer" seria válida apenas quando ela implica a proteção do Indivíduo ou a de seu Planeta.

"A obrigação do fazer" nunca seria aceitável, exceto no caso de um dever fundamental: a proteção do indivíduo e a de seu Planeta.

No entanto, as obrigações, assim como as proibições estão em toda parte, para tudo, cada vez mais absurdas e numerosas.

Estamos atualmente em uma fase de transição entre duas eras que ficarão na História radicalmente diferentes, se não opostas.

A primeira, a de hoje, é orientada para a propriedade, o individualismo, a competição, o dever, a escravidão moderna e o condicionamento.

A seguinte é a da emancipação. Ela será orientada para o indivíduo, seu Planeta, a iniciativa, a cooperação, a coordenação, a motivação e a verdadeira Liberdade.

Preguiça e individualismo são a expressão da rejeição de um sistema.

Motivação e altruísmo são a expressão da liberdade de um indivíduo.

Daqui a algumas décadas, vamos explicar aos nossos filhos o que era o sistema monetário e as relações que temos hoje entre nós. Tudo isso lhes aparecerá bárbaro, violento e precário, tanto quanto pode ser a idade média para nós hoje.

Mas o tempo passa e a Vida estará sempre acima de tudo.

Quando olhamos para o que está acontecendo hoje em dia, seria fácil acreditar que a Idade de Ouro da Humanidade está atrás de nós e que só o declínio e a degradação do nosso Planeta nos espera. No entanto, a necessidade incansavelmente nos empurra num único caminho a seguir: o do bom entendimento e o da união.

Obviamente, os acontecimentos nos levam continuamente até que haja o melhor, ou seja: uma civilização onde reina a Liberdade, a Igualdade e a Harmonia.

O melhor não está atrás de nós, bem ao contrário.

Sempre parece impossível, até que seja feito.
Nelson Mandela